Em São Paulo, ministro da Educação participa de reunião sobre a Base Nacional Comum Curricular

A etapa do ensino médio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) segue em discussão junto à sociedade brasileira no âmbito do Conselho Nacional de Educação (CNE). Em mais uma etapa de debates, o ministro da Educação, Rossieli Soares, participou, nesta quinta-feira, 21, em São Paulo, de uma reunião promovida por especialistas do Movimento pela Base Nacional Comum. A meta é homologar o documento até o fim do ano.

De acordo com o ministro Rossieli, o novo ensino médio é um marco para a educação, e a BNCC é o documento mais relevante que tem sido discutido, e por isso é tão essencial ter a participação da sociedade na construção desse documento. “Este é um momento importante de debate com as instituições de terceiro setor, com especialistas, sobre as críticas ao documento, para que possamos aprimorá-lo junto com o CNE ainda este ano.”

O Movimento pela Base Nacional Comum é um grupo não governamental de profissionais da educação, com mais de 60 membros, que desde 2013 atua para facilitar a construção de uma Base de qualidade. O grupo promove debates, produz estudos e pesquisas com gestores, professores e alunos e investiga casos de sucesso em vários países.

“O que trazemos são considerações específicas, leituras críticas sobre a clareza de algumas das habilidades e competências, em aspectos pontuais da base, para melhorar o documento no trabalho conjunto”, explica Daniel Barros, secretário-executivo do Movimento pela Base Nacional Comum. “Queremos ajudar a garantir a qualidade da BNCC do ensino médio.”

Órgãos, entidades, associações e interessados podem oferecer suas contribuições à última versão da etapa do ensino médio da BNCC, entregue em abril ao CNE pelo MEC. As sugestões podem ser feitas até as 23h59 de 29 de agosto, data da última audiência pública a ser realizada pelo conselho, em Brasília.

A próxima audiência pública será em 5 de julho, em Fortaleza. Depois, no dia 10 de agosto, Belém recebe a reunião. O MEC auxilia o CNE nas audiências públicas dessa etapa da Base. Os encontros não têm caráter deliberativo, de acordo com o CNE, mas são essenciais para que o órgão elabore um documento normativo que reflita necessidades, interesses, diversidade e pluralidade do panorama educacional brasileiro, além dos desafios a serem enfrentados para a oferta de uma educação de qualidade a todos os estudantes.

A etapa do ensino médio da BNCC, assim como ocorreu na etapa de elaboração da proposta para a etapa da educação infantil e do ensino fundamental, homologada em dezembro de 2017, será o marco para orientar os currículos desta fase de ensino.